NOTÍCIAS

02/02/2018
Fiems e Semagro renovam convênio com Infraero para facilitar exportações e importações

Fiems e Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) renovaram, nesta quinta-feira (01/01), convênio de cooperação técnica assinado em fevereiro do ano passado para dar continuidade à divulgação do Terminal Alfandegado dentro do Aeroporto Internacional de Campo Grande. A intenção é mostrar aos empresários que existe um instrumento facilitador da política de comércio exterior, além de potencializar o uso de aeronaves e cargas, gerando mais desenvolvimento para Mato Grosso Sul. 

A renovação do convênio até fevereiro de 2019 foi assinada em reunião realizada no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), entre o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o superintendente da Infraero no Estado, Richard Aldrin Fernandes, e o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck. 

Segundo Longen, o ato beneficiará as empresas sul-mato-grossenses que importam e exportam seus produtos, sendo resultado de uma gestão eficiente da Infraero no Estado. “A Infraero, hoje, é comandada por um superintendente extremamente competente e que tem trazido resultados para Mato Grosso do Sul. Esse convênio criamos junto com a Semagro, visando beneficiar as empresas que importam e exportam, fazendo a alfândega desses produtos aqui na Capital. E é um avanço manter isso porque muitas empresas já têm utilizado e precisamos trabalhar inclusive para estimular e ampliar o uso”, declarou.

O secretário Jaime Verruck destacou que atualmente há um terminal aduaneiro no Aeroporto Internacional de Campo Grande utilizado para recebe ou despachar cargas vindas de outros países e atualmente três companhias aéreas utilizam o espaço: a Azul Linhas Aéreas Brasileiras, Gol Linhas Aéreas e Latam. “O desembaraço aduaneiro demora até 12 horas úteis, um tempo extremamente ágil e que facilita de forma significativa as atividades das empresas que fazem negócios no Estado”, considerou.

Para o superintendente da Infraero, Richard Fernandes, o intuito é apoiar as operações de comércio exterior. “A Infraero hoje tem o terminal intermodal, terminal logístico alfandegado, onde nós processamos todas as importações e exportações, sendo assim, fomentamos que as indústrias daqui e todas as empresas em desenvolvimento façam o processo logístico dentro do próprio Estado”, acrescentou.

Na avaliação do superintendente do IEL, José Fernando do Amaral, que coordena o CIN (Centro Internacional de Negócios), a parceria com a Infraero é fundamental para facilitar o desembaraço de produtos, fomentando o comércio exterior. “Nada mais importante para o CIN do que esse tipo de parceria porque importação e exportação usando o terminal portuário da Infraero facilita muito o desembaraço dos produtos. Esse é justamente o papel do CIN junto às empresas, precisamos estar presentes próximos dos empresários que querem importar e exportar, não só dando assessoria, consultorias e fornecendo atestados, mas com inteligência de mercado, buscando possíveis clientes no exterior”, assegurou.